Série ao Fundo

Do outside para o inside da sua casa

APLAUSOS em 2017?

Sábado de sol e muita gente fora da água. Lá dentro, apenas Gabriel Medina e Tanner Gudauskas disputavam o round 3 do Hurley Pro at Trestles 2016. 

Para o local, a maior pretensão era fazer bonito dentro de casa e, com sorte, vencer a etapa. Já o brasileiro entrou na bateria sabendo da eliminação do candidato direto ao título e também da obrigação de vencer. JJ Florence foi eliminado instantes antes e o brasileiro estava a uma vitória para lycra amarela. 

Com o surfe de campeão, Medina começou tirando 8.83 na primeira onda. O californiano também fez notas na casa dos oito pontos e deixou o  brasileiro precisando de uma nota 8.34. E é aí que a história começa. 

A ONDA E A NOTA

Com uma onda intermediária, Gabriel deu uma sequência de rasgadas, arcos e batidas que garantiriam a nota. Ao finalizar a onda, a certeza virou dúvida quando três dos cinco juízes deram notas abaixo de 8.20. Ruim para Medina, pior para a própria WSL, que não contou sequer com a ajuda dos comentaristas. Abaixo, relatamos uma parte da transmissão:

- Como assim? - diz um surpreendido Barton Lynch (Campeão de 88 e convidado da etapa)

- “Eu compartilho da sua surpresa! - complementa o comentarista Ross Williams, para finalizar - “Sinceramente, achei que essa onda merecia um 9!”

A polêmica continuou com o apresentador (e tubo rider) Peter Mel deixando claro a sua insatisfação com os juízes:

- “Essa será um daquelas baterias que repercutirão durante toda temporada. Achei que a onda era o suficiente para Gabriel virar. Particularmente, aquela onda foi na casa dos nove”, afirma Peter Mel (apresentador (e tube rider)
— Fonte: transmissão WSL

O assunto Gabriel Medina x Tanner Gudauskas começa aos 9min30 seg

Ao final deste (inesquecível) sábado, mais surfistas fizeram coro a Gabriel. As palmas de Medina serviram para os surfistas da elite revelarem a sua insatisfação com os critérios de avaliação. 

TRADUÇAO: Demorei um pouco para colocar essa foto porque eu sei que as pessoas querem falar sobre isso: a bateria de Medina. Nenhum desrespeito com Tanner, mas sinceramente eu acho que ele conseguiu a nota que precisava no fim. Sei que a tarefa dos juízes não é fácil, mas acredito que a onda de Gabriel foi excelente. Essa é a minha opinião

JULIAN WILSON.png
TRADUÇAO: Quando há noites sem dormir, incontáveis horas de preparação e duras lições aprendidas com decepções do passado, é difícil não se sentir frustrado quando não se é recompensado em momentos-chaves como este. Talvez seja hora de descobrir o que os juízes veem e entendem como bom surfe, em comparação com o que os melhores surfistas do mundo veem e entendem como bom surfe, se é que isso poderia ser diferente

Como já deu pra perceber, o #HurleyProTrestles começa com alguns fantasmas do ano passado. Será que a WSL conseguirá espantá-los ou, pelo menos, mantê-los longe dos surfistas?

É esperar o dia 06/9 pra ver.