Série ao Fundo

Do outside para o inside da sua casa

Sem onda, mas com nota

Lei da compensação. Afinal, se não havia swell suficiente para (mais um) campeonato épico no Taiti, essas ondas estavam quebrando em algum lugar. Aqui o swell chegou forte e deu pro surfista mais apaixonado viver de surfe manhã, tarde e noite.

Coincidência ou não, fato é que lá em Teahupoo o final de semana foi bem movimentado. Variava alguns períodos com vento e mar a favor e outros que colocaram fim a um bom momento de Filipe Toledo, que perdeu em uma das oscilações do mar com poucas ondas e nenhum vento. 

No segundo dia, as ondas e os ventos colaboraram. Apesar das atuações discretas de Caio Ibelli e Miguel Pupo, tivemos grandes duelos com Jadson André  x Michel Bourez e Julian Wilson x Italo Ferreira. Destaque pro pernambucano Ian Gouveia, que conseguiu o maior somatório no round 1 e saiu da etapa disputando onda a onda com Owen Wright.

Mas nada parecido com o dia das finais.  Um domingo de muito surfe e total tensão. A começar pela interferência de Gabriel Medina em uma "isca" jogada por Matt Wilkinson. Pior: o australiano é quem foi fisgado. Um erro de estratégia do líder do tour, que ao tentar uma punição a quem ele considerou o melhor da bateria, acabou perdendo a série e cedeu a vaga nas quartas de final para Kolohe Andino. Wilko repetiu a “bondade” com Wiggolly Dantas, que o eliminou no round 5 e deixou a camisa amarela no colo de Jordy Smith, semifinalista da competição após eliminar John John Florence.

Aliás, o ubatubense teve o melhor resultado da temporada ao perder nas quartas de final para Kolohe, que disputou, literalmente (e com uma certa agressividade de ambos os lados), braçada a braçada com Medina. 

O campeão mundial de 2014 chegou a final com a única nota 10 na etapa e tudo parecia muito bem até os 10 minutos finais. Julian Wilson entrou na combinação e precisava de 17.88 para virar. Missão impossível? Não em Cho-po. Não com Julian. Em 4 finais com o brasileiro já são 3 vitórias do australiano. Com a última, ele mostra que não foi apenas um acidente de percurso em Pipeline-2014, mas segue como a pedra no sapato de Medina.

Se o título não veio, motivos não faltam pra comemorar. Medina volta a projetar o título a menos de uma vitória do líder. Quando Gabriel começa bem em Teahupoo, o final nós já conhecemos…Julian Wilson também.  

 Fonte: WSL/Kelly Cestari

Fonte: WSL/Kelly Cestari